O que é a Teoria da Janela Quebrada e o que isso tem a ver com você?

Teoria da Janela Quebrada

Imagine que você está andando na rua, sente muita sede e compra uma garrafa de água gelada pra se refrescar. Quando termina de beber, percebe que não tem uma lixeira por perto e, ao olhar pro chão, nota que ele está cheio de sujeira, com folhas que caíram das árvores e embalagens que foram descartadas de maneira irresponsável. O que você faz? 

Se respondeu que guardaria a embalagem da garrafa de água na bolsa até encontrar uma lixeira, parabéns! Mas geralmente não é isso que acontece. Ao notar que há lixo no chão, a probabilidade de que as pessoas joguem mais lixo nele aumenta; assim como se ele estiver limpo, provavelmente, as pessoas pensarão duas vezes antes de descartar qualquer embalagem na rua. É assim que funciona a Teoria da Janela Quebrada. 

Essa teoria foi apresentada como resultado de estudos do cientista político James Q. Wilson e do psicólogo criminologista George Kelling, ambos norte-americanos, que em 1982 publicaram na revista “Atlantic Monthly” um documento em que, pela primeira vez, estabelecia-se uma relação de causalidade entre desordem e criminalidade. 

Como dito, esse estudo aponta a desordem como um fator de elevação dos índices da criminalidade, inclusive, até maior do que a ligação entre a criminalidade e outras características naturais a determinadas regiões, caracterizadas pela pobreza ou pelo abrigo de minorias raciais. Indica também que os danos ambientais geram uma sensação de que a lei não existe. Em resumo, a Teoria da Janela Quebra é clara: em uma situação onde não há regras, é mais provável que ocorram vandalismos. 

É por isso que em lugares com presença de lixo nas ruas, bancos quebrados e paredes sujas, você não se sente tão seguro assim. Esse “abandono” do espaço público aumenta a insegurança coletiva e convida à prática de crimes. 

Para mostrar o impacto da conclusão dos estudos de James Q. Wilson e George Kelling na sociedade, a gente traz a realidade do metrô de Nova York como exemplo. 

Nos anos 80, ele era o lugar mais perigoso da cidade, com números elevados de tiroteio, assalto e roubo. Como era de se esperar, o medo fazia parte da vida dos moradores locais. 

Tomando como referência a Teoria da Janela Quebra, as autoridades de Nova York começaram a reparar os danos das estações do metrô: a sujeira foi removida, as pichações foram apagadas, todos pagavam as passagens e pequenos furtos foram monitorados. As ações logo deram resultado e o metrô se transformou em um lugar seguro. 

Logo depois, foi implantada uma política de “tolerância zero”. Para isso, foram proibidas todas as transgressões da lei e das regras de convivência, tendo sido incentivadas a limpeza e a ordem nas comunidades. Mais uma vez, o resultado foi uma grande queda na taxa de criminalidade e Nova York deixou de ser o pesadelo violento que um dia já foi retratado na imprensa, na TV e nos filmes. 

O principal conceito da Teoria da Janela Quebrada não é sobre linchar o delinquente, mas sim sobre a prevenção e a promoção de condições sociais de segurança para impedir a eclosão de processos criminais incontroláveis. 

E é aí que entra o seu papel de contribuir para criar comunidades limpas, ordenadas, respeitosas da lei e dos códigos básicos da convivência social humana. Sabe como fazer essa transformação acontecer? Exercendo a sua cidadania. E com ações individuais, pequenas e rotineiras, você já consegue! 

Não feche os olhos para situações que agridem nossa moradia coletiva e o bom convívio em sociedade. Comece no seu bairro, zelando por uma boa iluminação na frente de casa. Ruas iluminadas provocam a sensação de segurança e ajudam a inibir atos criminosos. 

Além disso, preocupe-se em manter as árvores das ruas podadas. Cidades arborizadas proporcionam muito mais qualidade de vida para seus habitantes. No entanto, a poda deve ser feita sempre que necessário. Além de tratar e manter as árvores bem cuidadas, isso também evita que algum estranho possa se abrigar sem que alguém perceba. 

Que tal levar essa ideia também para o seu ambiente de trabalho? Respeitar o patrimônio, as pessoas com quem você divide boa parte da sua rotina e agir com ética vai impactar diretamente no seu dia a dia e ajudar a criar um meio ambiente de trabalho ecologicamente equilibrado. 

Como a gente viu na Teoria da Janela Quebrada, pequenas falhas podem levar a grandes transgressões e, consequentemente, ao caos. Se pequenas transgressões são consentidas, como depreciar produtos e equipamentos da empresa, as pessoas vão mais além e cada vez mais farão as mesmas práticas erradas em maiores quantidades. 

Então, além de incentivar o bom convívio e a troca de conhecimento entre os colaboradores, a nossa dica é que você os inspire a manter a limpeza e ordem do ambiente de trabalho também. Ambientes empresariais, onde as áreas comuns estão limpas e livres de itens como caixas, ferramentas e materiais desnecessários, transmitem a mensagem de um lugar cuidado e seguro, inibindo a ação de pessoas mal-educadas e mal-intencionadas.